Aula 1: A Imagem do Deus Invisível (Adolescentes)


Texto Bíblico
João 1.1-14

Destaque
"Ele, o primeiro Filho, é a revelação visível do Deus invisível; ele é superior a todas as coisas criadas. [...] Pois em Cristo, como ser humano, está presente toda a natureza de Deus” (Cl 1.15; 2.9).

LEITURA DEVOCIONAL
SEG. Jo 1.1
TER. Lc 1.35
QUA. Jo 1.14
QUI. Mc 14.61,62
Sex. Mc 6.3
Sáb. Lc 10.21
Dom. Jo 11.35
Objetivos
Explicar que o único caminho pelo qual podemos ser salvos é Jesus; Ensinar que Jesus possui atributos que evidenciam a sua divindade; Mostrar todas as características que evidenciavam a humanidade de Jesus.
Material Didático
Cartolina; caneta hidrocor.
Quebrando a Rotina

Prezado professor, estamos iniciando mais um trimestre de aprendizado da Palavra de Deus. Neste trimestre, estudaremos sobre Jesus, o nosso modelo. Para começar, você pode elaborar um cartaz que apresenta duas colunas: a primeira coluna refere-se às características de Jesus que evidenciam a sua plena divindade e identificação com o Pai. A segunda refere-se aos aspectos humanos de Jesus. Mesmo sendo Deus, Ele era plenamente homem, sujeito às nossas mesmas limitações. Tais aspectos mostram a identificação de Cristo com a humanidade. Ele deixou a sua glória, a fim de se humilhar e se fazer semelhante aos homens para nos mostrar que é possível obedecer à vontade de Deus e viver sem pecado.

Ao final da aula, converse" com os alunos sobre as maiores dificuldades que eles encontram na adolescência para não o que é agradável a Deus.

ESTUDANDO A BÍBLIA
Professor, a aula de hoje apresentará aspectos da divindade e da humanidade de Jesus Cristo. É de suma importância que seus alunos conheçam a dupla natureza de Cristo, a fim de que o vejam como modelo a ser seguido. Vivemos um tempo difícil em que somos influenciados pelas filosofias de vida do mundo. Os sistemas de comunicação e as mídias sociais têm tentado inculcar na mente dos seus alunos comportamentos que não agradam a Deus. Infelizmente, para o adolescente nesta fase, tudo é novidade e parece bem legal. Por que não aderir a estes modelos de comportamento, afinal de contas, os demais adolescentes "usam ou se vestem assim”? Por esta razão, é importante que seus alunos conheçam a pessoa de Jesus e tenham intimidade com Ele. Explique que eles poderão encontrar em Cristo uma maneira de viver mais saudável e alegre sem copiar o comportamento mundano.

Evangelho de João anuncia que no começo aquele que é a Palavra já existia. "Ele estava com Deus e era Deus” (Jo 1.1,2). A Palavra é a fonte de vida que trouxe luz para os homens. Jesus é a Palavra e a todos os que creem nEle e o recebem é dado o direito de se tornarem filhos de Deus (Jo 1.11,12). Portanto, a presente lição nos mostrará o Deus que se tornou ser humano e o ser humano que é Deus: Jesus Cristo.
 
1. O Filho de Deus se fez carne

Quando Adão e Eva pecaram contra o Criador, no jardim do Éden, o Senhor Deus fez uma grande promessa: "Eu farei com que você e a mulher sejam inimigas uma da outra, e assim também serão inimigas a sua descendência e a descendência dela. Esta esmagará a sua cabeça, e você picará o calcanhar da descendência dela” (Gn 3.15). Jesus Cristo, o descendente dos nossos primeiros pais, viria ao mundo para aniquilar o pecado e trazer a redenção aos homens. Assim, o Filho de Deus se fez homem. O anjo Gabriel apareceu a Maria e lhe disse: "O Espírito Santo virá sobre você, e o poder do Deus Altíssimo a envolverá com a sua sombra. Por isso o menino será chamado de santo e Filho de Deus” (Lc 1.35). Em resposta, Maria aceitou o grande milagre de ser mãe do Filho de Deus. Após aquele encontro maravilhoso, a jovem engravidou e, depois de nove meses, o menino nasceu na cidade de Belém, conforme havia profetizado o profeta Miqueias (Mq 5.2).

"A Palavra se tornou um ser humano e morou entre nós, cheia de amor e de verdade” (Jo 1.14). Nosso Senhor se fez semelhante aos homens em tudo para que fosse o mediador de uma nova aliança entre Deus e os homens. Os seres humanos não tinham condições de, por si mesmos, reconciliarem-se com Deus. Quando o Filho de Deus veio ao mundo, esse caminho começou a se abrir para a tão grande reconciliação entre Deus e a humanidade (Jo 1.29).

AUXÍLIO TEOLÓGICO
O Verbo
João começa seu evangelho denominando Jesus de 'o Verbo' (gr. Logos). Mediante este título de Cristo, João o apresenta como a Palavra de Deus personificada e declara que nestes últimos dias Deus nos falou através do seu Filho (cf. Hb 1.1).

As Escrituras declaram que Jesus Cristo é a sabedoria multiforme de Deus (1 Co 1.30; Ef 3.10,11; Cl 2.2,3) e a perfeita revelação da natureza e da pessoa de Deus (Jo 1.3-5,14,18; Cl 2.9). Assim como as palavras de um homem revelam o seu coração e mente, assim também Cristo, como 'o Verbo’, revela o coração e a mente de Deus (Jo 14.9). João nos apresenta três características principais de Jesus Cristo como 'o Verbo’:

1. O relacionamento entre o Verbo e o Pai.
(a)     Cristo preexistia 'com Deus’ antes da criação do mundo (cf. Cl 1.15,19). Ele era uma pessoa existente desde a eternidade, distinto de Deus Pai, mas em eterna comunhão com Ele.
(b)     Cristo era divino ('o Verbo era Deus’), e tinha a mesma natureza do Pai (Cl 2.9).

2. O relacionamento entre o Verbo e o mundo.
Foi por intermédio de Cristo que Deus Pai criou o mundo e o sustenta (v. 3; Cl 1.17; Hb 1.2; 1 Co 8.6).

3. O relacionamento entre o Verbo e a humanidade.
'E o Verbo se fez carne’ (v. 14). Em Jesus, Deus tornou-se um ser humano com a mesma natureza do homem, mas sem pecado. Este é o postulado básico da encarnação: Cristo deixou o céu e experimentou a condição da vida e do ambiente humanos ao entrar no mundo pela porta do nascimento humano (Mt 1.23)” (Bíblia de Estudo Pentecostal, 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 1995, p.1569).

2. Jesus - o homem Deus
 
São muitos os relatos do Novo Testamento que confirmam a divindade de Jesus. Quando o Senhor nasceu, os anjos declararam que Ele era o Cristo (Lc 2.11). Na ocasião em que a mulher samaritana foi buscar água no poço da herdade de Jacó, Jesus mencionou que era o Messias (Jo 4.25,26). Após aquele encontro, a mulher compartilhou com os samaritanos a notícia de que havia encontrado o Messias, o enviado de Deus, e muitos creram em Jesus. Reunido com seus discípulos, Ele mesmo declarou que Deus era o seu Pai (Mt 10.32; Jo 15.24) e disse a Felipe que todo aquele que o vê está vendo o Pai (Jo 14.9). No momento em que os seus inimigos o prenderam e o interrogaram sobre se Ele era o Messias, Jesus não replicou, mas confirmou: "— Sou. E vocês verão o Filho do Homem sentado do lado direito do Deus Todo-Poderoso e descendo com as nuvens do céu!” (Mc 14.61,62). Seu discípulo, Tomé, quando teve a comprovação de que Cristo havia ressuscitado, "exclamou: — Meu Senhor e meu Deus!” (Jo 20.28). E, por fim, no livro de Apocalipse, quando Jesus apareceu a João, Ele afirmou sobre si mesmo: "Eu sou o Alfa e o Ômega, o Primeiro e o Ultimo, o Princípio e o Fim” (Ap 22.13). Por isso, não há como negar que Jesus é o Deus Bendito, o Messias esperado pela nação de Israel. Por esta razão, devemos crer e compartilhar essa fé com nossos amigos e colegas. Você deve se lembrar dessa palavra e confessar a Cristo diante das pessoas, pois se você for fiel a Ele, do mesmo modo, o Senhor Jesus declarará o seu nome diante dos anjos no grande dia da sua vinda (Lc 12.8).

AUXÍLIO TEOLÓGICO
O Verbo era Deus
Uma seita contemporânea, refletindo uma posição teológica adotada por hereges antigos, salienta que no grego o artigo definido 'o’ é encontrado com 'Verbo’, mas não com 'Deus’. Com base nisto os membros da seita argumentam que João ensina que Jesus era 'um’ Deus, mas não 'Deus’. Uma divindade inferior, dizem eles, sim. Mas o Deus da eternidade? Nunca.
A falácia deste argumento é que ele se baseia no inglês em vez de se basear na gramática grega. [...] No grego a ausência do artigo com 'Deus’ enfatiza a qualidade. Portanto, João está claramente declarando que o Verbo possui a mesma qualidade que Deus, e é Deus! Longe de abdicar de ter elevada visão da natureza de Jesus, João afirma fortemente a completa divindade deste Homem que era o Verbo encarnado” (RICHARDS, Laurence. Comentário Histórico-Cultural do Novo Testamento, 1ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2007, p.195).

3. Jesus – o Deus Homem
Além de possuir todas as qualidades divinas — como, por exemplo, os atributos divinos: onipotência (Mt 8.16; 10.8); onisciência (Jo 2.24,25; 4.16-19); onipresença (Mt 18.20; 28.20); eternidade; (Cl 1.17; Jo 1.1) —, Jesus também era plenamente humano.

O nosso mestre amado renunciou voluntariamente a glória perfeita que tinha nos céus a fim de ser o Salvador da humanidade, se sujeitando às mesmas limitações em que qualquer ser humano está submetido. Não pense que foi fácil para Jesus enfrentar as dificuldades da vida. Como ser humano, Ele sentiu a necessidade do alimento diário como qualquer um sentiria em seu lugar. Mas o nosso Senhor foi fiel até o fim, guardando a Palavra de Deus (Mt 4.4).

O nome Filho do Homem, frequentemente usado por Ele mesmo, expressava tanto o seu estado de humilhação quanto o de glória quando vier julgar o mundo e reinar (Mt 11.19; Mc 8.31; Mt 24.30). Outra informação importante é que Jesus de Nazaré também teve uma profissão. Seu pai era carpinteiro e Ele aprendeu com o seu pai essa mesma profissão, e por isso, as pessoas o chamava "carpinteiro” (Mc 6.3). Como cidadão de bem, Jesus pagava os seus impostos. Certo dia, Ele demonstrou sabedoria quando o perguntaram se era certo pagar tributo a Roma ou não, ao que respondeu: Deem ao Imperador o que é do Imperador e deem a Deus o que é de Deus” (Mt 22.21). Embora tenha adquirido as maiores qualidades humanas possíveis da sua época, há uma que o distingue dos demais homens: Jesus jamais pecou. Ele veio a este mundo em semelhança da carne, mas jamais conheceu o pecado, apesar de ter sido tentado em tudo (Hb 4.15).

Portanto, caro adolescente, não pense que foi fácil para o nosso mestre atravessar todas aquelas adversidades, pois assim como você, Ele também foi adolescente e enfrentou muitas lutas. Quando você achar que não pode resistir a alguma tentação, lembre-se do mestre Jesus! Ele te ama e sabe o que se passa dentro de você. Persevere nEle!

AUXÍLIO TEOLÓGICO
O Ato Soberano de Deus
A humilhação voluntária de Jesus foi seguida de sua exaltação pelo Pai. Cristo não só foi ressuscitado dos mortos e restituído ã posição apropriada ã sua natureza; Deus 'exaltou soberanamente’ a Cristo, e lhe deu um 'nome que é sobre todo o nome’ (Fl 2.9). A palavra grega é huperupsoen, uma palavra que só ocorre aqui no Novo Testamento, significa literalmente 'superexaltar’.

Neste ato, Deus deu a Jesus um nome, Senhor (2.11), diante do qual todo joelho deve se dobrar, e que toda língua deve confessar (2.10). Portanto, a restauração de Jesus por Deus é a uma posição mais elevada — isto é, a uma posição de maior visibilidade do que aquela que Ele desfrutava anteriormente.

Antes de Cristo voluntariamente escolher o caminho do auto-esvaziamento, Ele existia como Deus; mas, na incredulidade, os seres humanos poderiam ignorá-lo, e assim fizeram. Agora, ressuscitado e exaltado acima de tudo e todos, e com o Nome recebido de Deus Pai, Cristo voltará em glória e naquele grande desfecho será reconhecido por todos — crentes e incrédulos igualmente. O crente reconhece a Jesus hoje e alegremente escolhe ajoelhar-se diante dele. O incrédulo irá reconhecer a Jesus quando Ele voltar, e contra sua vontade será forçado a se ajoelhar e confessar a Cristo como Senhor de todos” (RICHARDS, Laurence. Comentário Histórico-Cultural do Novo Testamento, 1 ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2007, p.440).

Conclusão
A Palavra de Deus nos ensina que Jesus operou muitos sinais e maravilhas. Ele ressuscitou mortos, acalmou a tempestade, multiplicou pões e peixes, etc. Foram tantos os milagres realizados por Jesus, que João afirmou que nem ainda o mundo todo poderia conter os livros que se escreveriam sobre o seu ministério glorioso. Contudo, dentre todas essas obras, o maior milagre é a sua morte e ressurreição. A morte de Cristo na cruz do Calvário é o motivo da nossa eterna salvação. Se não fosse o Filho de Deus assumir o nosso lugar e pagar o alto preço pelos nossos pecados, estaríamos perdidos. Mas Jesus se manifestou para aniquilar o pecado pelo sacrifício de si mesmo.

E muito bom saber que temos um Deus que sabe o que se passa conosco! Portanto, "agora já não existe nenhuma condenação para as pessoas que estão unidas com Cristo Jesus” (Rm 8.1). Você não precisa mais se sentir culpado por nada. Agora você tem um advogado junto do Pai e Ele está à sua disposição para ajudá-lo a vencer qualquer pecado.

Há muitos adolescentes em nossas igrejas que não se sentem perdoados por Deus, talvez pelas coisas erradas que já conheceram tão cedo. Mas a Palavra do Altíssimo nos ensina que o sangue de Jesus Cristo nos purifica de toda injustiça (1 Jo 1.9). Creia que você já foi perdoado por alguém que levou a culpa dos pecados em seu lugar. Seja um imitador dEle e siga as suas pegadas. Fazendo assim, você nunca se sentirá sozinho.

Recapitulando
Jesus é a imagem visível do Deus invisível. Um Deus que não se mostrou distante dos homens, mesmo quando estes pecaram e se distanciaram do seu amor.

Conhecendo bem as limitações humanas, o Pai proveu um meio pelo qual os homens pudessem tornar a se relacionar em comunhão com Ele. 0 Pai enviou o seu único Filho ao mundo para entregá-lo como sacrifício em favor dos homens. Mesmo tendo a natureza divina, o Filho de Deus assumiu a semelhança da carne e se humilhou à condição de um servo sofredor, mas obediente até a morte de cruz. Ele é plenamente Deus, mas também plenamente homem!

O Senhor Jesus está a destra do Pai intercedendo pelos homens, visto que conhece intimamente o que se passa no coração de cada um. Seu exemplo nos leva a perceber que não estamos perdidos, pois há um Deus nos céus que sabe o que se passa aqui na Terra. Seu Filho sofreu para, além de nos prover salvação, também nos dar o exemplo de que, mesmo limitados, podemos sempre contar com a sua presença para nos ajudar a vencer o pecado e o glorificarmos como filhos obedientes e fiéis seguidores da sua Palavra.

Refletindo

1. Você já se perguntou como Cristo poderia existir antes da fundação do mundo?

R: A ideia é de que o aluno reflita sobre a onisciência de Deus. Este já sabia que o homem após ser criado cairia em pecado, ficando sujeito à perdição eterna. Por esta razão, Ele preparou um caminho de salvação para a humanidade pelo qual o homem seria reconciliado com Deus.

2. Você se considera um servo obediente e submisso a vontade de Deus?

R: Resposta pessoal.

3. Você tem conversado com Deus sobre as coisas que se passam no seu coração?

R: Resposta pessoal.

SUGESTÃO DE LEITURA:
=> Lições Bíblicas Dominical – Adultos – Aqui
=> Lições Bíblicas Dominical – Jovens – Aqui
=>Lições Dominicais em Áudio - Aqui

Revista de Adolescentes
Trimestres: 1º Trimestre – 2020 /
- Tema do Trimestre: Jesus Cristo, o Melhor Modelo
- Classe: Adolescentes
- Lições da Revista do Professor
- Editora: CPAD
- Contribuindo com a EBD: Escola Bíblica Dominical