Aula 2: Uma Pessoa Especial (Adolescentes)

Texto Bíblico
Lucas 7.36-50

DESTAQUE
"Quem está unido com Cristo é uma nova pessoa; acabou-se o que era velho, e já chegou o que é novo” (2 Co 5.17).

SUGESTÃO DE LEITURA:

📚 Subsídios Bíblicos para as Lições dos Adultos Aqui
📚 Subsídios Bíblicos para as Lições dos Jovens - Aqui
👉 Lições Bíblicas Em Áudio - Aqui

LEITURA DEVOCIONAL
SEG. Sm 16.7
TER. SI 51.17
QUA. Is 57.15
QUI. 2 Co 5.17
SEX. Mc 2.5
SÁB. Lc 5.23
DOM. Mt 11.27
OBJETIVOS
1. Mostrar que Deus não julga como as pessoas;
2. Explicar que Jesus conhece o coração arrependido;
3. Afirmar que Jesus tem poder de perdoar pecados.

MATERIAL DIDÁTICO
Revistas; Jornais; Artigos.

QUEBRANDO A ROTINA

Professor, na aula de hoje vamos aprender concernente a pessoa de Jesus. Seu olhar de graça sobre àqueles que estavam ao seu redor era diferente. Ele não julgava as pessoas de acordo com a aparência, mas conhecia os pensamentos de cada uma. A partir da história da mulher pecadora na casa de Simão, avalie com seus alunos que tipo de situações atuais revela certo preconceito com relação à aparência das pessoas.
Abra espaço para o diálogo sobre o assunto com seus alunos. Deixe que expressem situações cotidianas em que eles percebem que há um julgamento preconceituoso e reflita com eles: sobre o que a Palavra de Deus discorre sobre o julgamento. Separe referências bíblicas que rejeitam este tipo de comportamento. Ensine-os que devemos tratar as pessoas do mesmo modo que Jesus as trataria. Ele não considera o passado pecaminoso das pessoas. Antes, quando Cristo perdoa, Ele não se lembra mais de seus pecados. Assim também devemos amar e considerar as pessoas.

Prezado professor, estamos vivendo em uma época de mudança no olhar da sociedade. Há determinadas situações que ocorrem nos dias atuais que, até determinada época, eram consideradas imorais e inaceitáveis para a sociedade. Contudo, este olhar mudou e hoje vemos uma crescente inversão de valores. Por esta razão, é importante que seus alunos estejam preparados para lidar com estas situações, sem abrir mão dos valores da Palavra de Deus. Explique aos seus alunos que a igreja não foi idealizada para fortalecer o preconceito na sociedade, seja com relação às questões étnicas, de orientação sexual ou mesmo religiosa. Antes, possui as Escrituras Sagradas como código de ética que rege a conduta daqueles que expressam a fé no Evangelho de Cristo.

Vivemos numa sociedade onde as pessoas avaliam os relacionamentos de acordo com o que as outras têm a oferecer, e não pelo que são. A adolescência é repleta de situações assim. Nos círculos da sua amizade, como por exemplo, na sua escola, muitas vezes, alguns colegas vão até você com interesses nada verdadeiros. Mas pare um pouco e pense: Você foi chamado para pensar diferente! Para viver diferente!

Por isso, esta lição mostrará que quando Jesus foi convidado a um banquete na casa de um fariseu chamado Simão, entrou por ali uma mulher pecadora. Nosso Senhor não olhou para a sua condição, mas para a verdadeira motivação daquela mulher. Esta demonstrou um tão grande amor por Jesus que é lembrada até os dias atuais. 0 Mestre usou o exemplo daquela mulher para nos ensinar que não devemos julgar as pessoas pela aparência, pois cada ser humano é uma pessoa, um indivíduo que vale muito mais que qualquer bem material.
 
1. UMA MULHER PECADORA

Jesus de Nazaré se relacionava com as pessoas comuns da Galileia e, igualmente, se relacionava também com pessoas ilustres daquela província. Certa vez, Jesus foi convidado por um fariseu, de nome Simão, a jantar em sua casa. Geralmente, quando os fariseus convidavam alguém para um jantar em sua residência, tal gesto significava que a pessoa convidada seria honrada com um banquete. Convidar um mestre viajante para uma refeição após sua pregação na sinagoga era uma ação comum entre os judeus. Por conta disso, o fariseu insistiu para Jesus jantar em sua casa, afinal de contas, tanto o fariseu quanto outros convidados desejavam saber quem era aquele galileu que surpreendia a tantos com os seus ensinamentos (cf. Lc 7.36).

Havia naquela cidade uma mulher pecadora de má fama por conta da vida errada que levava. Ela ficou sabendo que Jesus estava jantando na casa do fariseu. Então, a mulher pegou um frasco de alabastro, asa de Simão. Jesus estava assentado e comendo, quando de repente ela chegou por detrás dos seus pés e começou a lavá-los com suas lágrimas e a enxugá-los com o seu próprio cabelo e, depois, a beijá-los. Todos os olhares dos convidados se voltaram para a mulher. Então ela pegou o frasco de alabastro que trazia consigo, cheio daquele perfume de grande valor, e derramou sobre os pés de Jesus.

Aquela demonstração de amor da mulher pecadora intrigou a muitos fariseus que ali estavam, inclusive, a Simão, que em pensamento dizia: "Se este homem fosse, de fato, um profeta, saberia quem é esta mulher que está tocando nele e a vida de pecado que ela leva” (v. 39). Mas Jesus não julgou aquela mulher pelos seus pecados, e muito menos a ignorou. Aquele perfume era o melhor que a mulher pecadora poderia oferecer a Jesus.

A história bíblica que estamos estudando nos ensina que o Senhor Jesus não julga as pessoas como nós as julgamos, pois na maioria das vezes olhamos para a aparência das pessoas, mas o Senhor vê o coração (1 Sm 16.7). Jesus sabia do passado tenebroso daquela mulher pecadora. Mas certo dia, ela ouviu falar de Jesus, e quando teve a oportunidade, lançou-se aos pés do Senhor e o adorou.

Do mesmo modo, o Senhor também conhece o seu coração, não importa as coisas erradas que você tenha feito. Deus não vê como o homem vê. Ele está atento às intenções do nosso coração. Lembre-se: o sacrifício a Deus é um espírito humilde; Ele não rejeitará um coração humilde e arrependido (SI 51.17), pois quando há um verdadeiro arrependimento o Senhor nos acolhe e aceita.

AUXÍLIO TEOLÓGICO
"Neste texto a mulher é identificada como uma 'pecadora’ [hamartolos] (7.39), significando que era uma prostituta, ou a esposa de um homem cujo trabalho era considerado desonrado. Como o versículo 47 relata que Jesus falou dos seus muitos pecados, devemos aparentemente preferir a primeira possibilidade. Mas não imaginamos como uma conhecias prostituta poderia entrar na casa de um fariseu.

Não podemos conceber que ela tenha batido na porta dessa grande casa, contado ao mordomo a sua missão, e recebido autorização para atravessar uma série de salas até chegar à sala de jantar. Naquela época, quando a hospitalidade era considerada uma grande virtude, muitas vezes o anfitrião arrumava as mesas em um local descoberto com um jardim, e abria o portão para os outros verem como havia generosamente recebido os seus hóspedes. Alguns passantes podiam até se deter no pátio para admirar a comida que estava sendo servida, uma atitude que mais honrava o anfitrião do que o perturbava. Assim sendo, a mulher poderia ter facilmente se introduzido para abaixar-se aos pés de Jesus e banhá-los com uma torrente de lágrimas” (RICHARDS, Laurence 0. Comentário Histórico-Cultural do Novo Testamento, 1. ed. Rio de Janeiro: CPAD 2007)

2. JESUS, UM PROFETA DIFERENTE
Apesar de Simão ter demonstrando simpatia por Jesus, o seu orgulho farisaico não deixava enxergar a maravilhosa natureza da graça. Para Simão, se Jesus era verdadeiramente um profeta, Ele não poderia permitir que aquela mulher impura se aproximasse dEle, quanto menos lhe tocar.


Mas Jesus era um profeta diferente. Conhecendo os pensamentos de Simão, o mestre contou-lhe uma história: "Dois nomes tinham uma dívida com um homem que costumava emprestar dinheiro. Um deles devia quinhentas moedas de prata, e o outro, cinquenta, mas nenhum dos dois podia pagar ao homem que havia emprestado. Então ele perdoou a dívida de cada um.

Qual deles vai amá-lo mais? Então Simão respondeu: — Aquele que foi mais perdoado!” (Lc 7.41-43). Então, Jesus lhe disse que estava certo. O julgamento de Simão a respeito da situação proposta na história estava correto. No entanto, Jesus começou a mostrá-lo que a sua maneira de entender a vontade de Deus estava totalmente distorcida. Ele como um bom fariseu, não havia tratado Jesus de acordo com a honra devida a um convidado em um banquete. Mas aquela mulher, ao contrário dele, honrou Jesus com uma profunda demonstração de amor e gratidão pelo fato de o Mestre não a ter desprezado devido ao seu passado pecaminoso. Assim, Jesus finalizou a história ensinando a Simão que o grande amor demonstrado por aquela mulher comprovou o seu sincero arrependimento e, dado isso, Ele disse a mulher: "— Os seus pecados estão perdoados” (v. 48). Quando Deus nos perdoa, Ele não se lembra mais do nosso passado nem lança em nosso rosto as coisas erradas que fizemos: "Quem está unido com Cristo é uma nova pessoa; acabou-se o que era velho, e já chegou o que é novo” (2 Co 5.17).

3. QUE HOMEM É ESSE QUE ATÉ PERDOA PECADOS?

Além de ensinar a Simão o verdadeiro significado da graça, Jesus nos mostra uma importante lição na história contada: "Mas onde pouco é perdoado, pouco é mostrado” (Lc 7.47). Nosso Senhor mostrou que as pessoas conscientes do grande perdão que receberam de Deus demonstram mais gratidão a Ele. Somos perdoados por Deus não porque o amamos, mas porque Ele nos amou primeiro (1 Jo 4.19).

Agora, Jesus direciona seu olhar para a mulher pecadora e declara: Os seus pecados estão perdoados” (v.48). "Mas quem é este que até perdoa pecados?” — Alguém questionou. E simples, Jesus é o Filho de Deus e foi da vontade do Pai glorificar o Filho e entregar em suas mãos todo o poder para que todos os que creem no Filho também recebam o próprio Pai (Mt 11.27).

Você também já foi perdoado pelo Senhor. Como o apóstolo Paulo, declare: "Assim já não sou eu quem vive, mas Cristo é quem vive em mim. E esta vida que vivo agora, eu a vivo pela fé no Filho de Deus, que me amou e se deu a si mesmo por mim” (Gl 2.20). Portanto, devemos olhar para as pessoas com o olhar de Cristo. Pois assim como fomos amados por Ele com um amor que vai além da nossa compreensão, também devemos amar as pessoas e respeitá-las. Esse é o verdadeiro significado da graça de Deus.

AUXÍLIO DIDÁTICO
Professor, atualmente tem predominado nas escolas seculares a discussão a respeito do conceito de família. De acordo com muitos educadores, a escola deve desconstruir o antigo paradigma de família herdado pela tradição cristã e assumir uma nova concepção acerca da formação familiar com base na diversidade de gênero. Infelizmente os que são simpatizantes desta concepção, consideram aqueles que pensam de forma diferente como preconceituosos e intolerantes. É de suma importância que você ensine os seus alunos a diferença entre preconceito e liberdade de pensamento.

Traga para aula, reportagens de jornais, revistas e artigos que abordam o assunto. Escreva no quadro a definição dos conceitos de preconceito e verdade de expressão. Seus alunos devem tratar com pleno respeito aqueles que são sege dores desta nova concepção. No entanto, explique-os que não devem abrir mão dos preceitos da Palavra de Deus a respeito deste assunto. A nossa base de pensamento encontra-se na doutrina ensinada nas Escrituras Sagradas e não devemos abrir mão dela.
RECAPITULANDO

A sociedade em que vivemos estimula as pessoas a pensarem propriamente no bem-estar pessoal e não no do próximo. Por essa razão, as relações se tornam superficiais e temporárias. A história que estudamos hoje nos ensina que Jesus não tratou as pessoas pela aparência e nem por aquilo que elas tinham a oferecer. Não importasse a situação financeira nem mesmo o passado ou a posição social da pessoa, Jesus tratava a todos com imparcialidade. O seu amor surpreendeu a muitos e a sua graça a muitos libertou. De fato, Jesus era uma pessoa diferente, e a proposta que fez aos seus discípulos consistia em que eles tivessem o mesmo olhar para com as pessoas.

Caro adolescente, você está em uma fase de amadurecimento. Certamente está conhecendo um mundo novo e fazendo novas amizades. Peça a Deus sabedoria, não julgue as pessoas por aquilo que elas têm a oferecer, mas valorize-as por aquilo que elas são: criaturas de Deus que Ele ama e quer salvar. Ore ao Senhor para que Ele use você para mostrar aos outros o amor de Deus e a maravilhosa natureza de sua graça.

REFLETINDO
1.     Em Israel, na época de Jesus, o que significava chamar as pessoas para um banquete em sua casa?
R: Significava que a tal pessoa seria honrada com um banquete.

2. O que a demonstração de amor da mulher comprovou?
R: Comprovou o seu sincero arrependimento.

3.Você tem consciência do grande perdão que recebeu de Deus?
R: Resposta pessoal.
=> Lições Bíblicas Dominical – Adultos – Aqui
=> Lições Bíblicas Dominical – Jovens – Aqui
=> Lições Bíblicas Dominical – Adolescentes – Aqui
=> Lições Bíblicas Central Gospel - Aqui


Trimestres: 1º Trimestre – 2020 /
- Tema do Trimestre: Jesus Cristo, o Melhor Modelo
- Classe: Adolescentes
- Lições da Revista do Professor
- Editora: CPAD
- Contribuindo com a EBD: Escola Bíblica Dominical