Lição 7 O Senhorio de Jesus Cristo sobre os Demônios

Tópicos: I - A ATUAÇÃO DOS DEMÔNIOS NO NOVO TESTAMENTO; II - O ENDEMONINHADO GADARENO; III- JESUS EXPULSA UM DEMÔNIO DE UM HOMEM MUDO
Classe: Jovens | Trimestre: 1° de 2020 | Revista: Professor | Lições Bíblicas de Jovens, CPAD – Aula: 16/02/2020
TEXTO DO DIA
"Quem pratica o pecado é do diabo, porque o diabo vive pecando desde o princípio. Para isto o Filho de Deus se manifestou: para desfazer as obras do diabo."  (1 Jo 3.8)
SÍNTESE
Devemos estudar sobre a natureza e operação dos demônios como um caminho para compreendermos como se manifestam os milagres vindos da parte do Senhor Deus.
📚 Subsídios Bíblicos para as Lições dos Adultos Aqui
📚 Subsídios Bíblicos para as Lições dos Jovens - Aqui
👉 Lições Bíblicas Em Áudio - Aqui


Agenda de leitura

SEGUNDA - Mt 10.8
Uma das ordenanças de Jesus para os discípulos
TERÇA - Mt 17.21
Exige-se santidade e espiritualidade de quem luta conta o mal
QUARTA - Mc 3.22
A blasfêmia dos religiosos da época de Jesus
QUINTA - Jo 10.21
A sábia conclusão da multidão
SEXTA - Tg 4.7
Resista ao Diabo
SÁBADO - Mt 25.41
O final das forças do mal

Objetivos
I - REFLETIR sobre a natureza e características dos demônios no Novo Testamento;
II - CARACTERIZAR o processo de demonização a partir do caso do gadareno;
III - DEMONSTRAR a lógica de manifestação dos milagres gerados por Deus.

Interação
Algumas pessoas têm perdido o foco com relação aquilo que a Escola Dominical significa para elas. Para alguns professores a atividade de lecionar tem tornado-se um fardo, uma obrigação. É claro que tudo o que se transforma nessa condição em nossas vidas é péssimo. O que a Escola Dominical é para você, caríssimo educador? Quero lembrá-lo que pouquíssimas pessoas em sua comunidade local têm as qualidades espirituais que você tem: habilidade no manejo da Palavra, carisma com o grupo jovem, credibilidade moral e espiritual. Mesmo diante de todos os desafios, você precisa reconhecer que grande parte da saúde espiritual que sua alma nutre é oriunda do conhecimento bíblico adquirido a partir de anos como aluno ou professor da ED.

Orientação Pedagógica
Um dos modelos de metodologia ativa mais comum é o de aprendizagem em grupos. Para o funcionamento deste tipo de metodologia basta segmentar sua sala - dependendo do número de alunos, espaço físico e tempo para ministração da aula - duplas ou grupos. Feita a nova arquitetura na sala, lance o desafio de estudar um caso e/ou solucionar um problema. Se você quiser pode conduzir as investigações a partir da solicitação de resposta a três perguntas norteadoras ou pode tornar a discussão mais dotada de sentido e riqueza de detalhes, trazendo para o debate um caso real, da atualidade ou mesmo uma questão local que está sendo vivenciada em sua comunidade local.
 
A troca de experiências, o confronto de ideias, a apresentação de respostas e pontos de vista diferentes são os momentos mais enriquecedores deste tipo de estratégia diático-pedagógica. A verdade, é que dependendo da qualidade da preparação de atividade, você poderá utilizar todo o seu tempo de aula na aplicação desta metodologia, fazendo-a tornar-se não parte da aula, mas o todo dela.
💡 SUGESTÃO DE LEITURA:

Lição 1: A Necessidade de Um Salvador

Lição 2- A Humanidade de Jesus e a Sua Deidade

Lição 3 - O Ministério de Jesus

Lição 4 - O Que Cristo Fez por nós



Texto bíblico
Marcos 5.1-9
1       E chegaram à outra margem do mar, à província dos gadarenos.
2       E, saindo ele do barco, lhe saiu logo ao seu encontro, dos sepulcros, um homem com espírito imundo,
3       O qual tinha a sua morada nos sepulcros, e nem ainda com cadeias o podia alguém prender.
4       Porque, tendo sido muitas vezes preso com grilhões e cadeias, as cadeias foram por ele feitas em pedaços, e os grilhões em migalhas, e ninguém o podia amansar.
5       E andava sempre, de dia e de noite, clamando pelos montes, e pelos sepulcros e ferindo-se com pedras.
6       E, quando viu Jesus ao longe, correu e adorou-o.
7       E, clamando com grande voz, disse: Que tenho eu contigo, Jesus, Filho do Deus Altíssimo? Conjuro-te por Deus que não me atormentes.
8       (Porque lhe dizia: Sai deste homem, espírito imundo.)
9   E perguntou-lhe: Qual é o teu nome? E lhe respondeu, dizendo: Legião é o meu nome, porque somos muitos.

INTRODUÇÃO
A Palavra de Deus é muito clara ao afirmar que o objetivo do império das trevas é tríplice: eliminar os filhos de Deus, usurpar as bênçãos que vem do Altíssimo, e arruinar a criação de Deus (Jo 10.10). Dediquemo-nos a este tema com o objetivo de superarmos misticismos irracionais. Estudar acerca da autoridade de Jesus sobre os demônios pode revelar-nos preciosas verdades sobre o poder do Cristo.

I - A ATUAÇÃO DOS DEMÔNIOS NO NOVO TESTAMENTO


1. Evidências bíblicas sobre a existência de demônios.
Para o estabelecimento de um ponto de partida mínimo nesta lição é necessário tomarmos como verdade alguns pressupostos elementares: Existe uma realidade para além do mundo físico-material; há uma intrínseca conexão entre a realidade física e a realidade espiritual, onde ações e escolhas em cada um destes campos têm possíveis repercussões entre si; as diferentes características destas duas realidades implicam, necessariamente, qualidades diferentes entre os seres que habitam e transitam nelas. O modo mais fácil de atestar a realidade dos espíritos malignos é analisar os inúmeros casos em que o Senhor Jesus confrontou e destruiu o poder das forças malignas (Lc 4.19), este inclusive era um dos destacáveis fatos do ministério de Jesus conforme defendiam os apóstolos na Igreja Primitiva (At 10.38). A existência de seres espirituais da maldade é tão evidente nas Escrituras que um dos sinais designados por Jesus, para caracterizar aqueles que seriam seus discípulos, é a autoridade para expulsar demônios (Mt 10.8; Mc 16.17).

2. Características dos demônios no Novo Testamento.
Nosso conhecimento sobre estes seres é muito limitado e absolutamente condicionado àquilo que as Escrituras falam, por isso é importante concentrarmo-nos no que a Palavra diz, e nunca em crendices populares ou fábulas religiosas. Eles são compreendidos como seres angelicais que, em virtude de pecados e rebeldias (2 Pe 2.4; Jd 6), perderam seu status celeste e tornaram-se operadores do império da morte (Hb 2.14). Eles são conhecedores da existência e do poder de Deus (Tg 2.19), bem como da divindade de Cristo (Mc 1.34). Em muitos casos a atuação destes seres espirituais está diretamente associada a enfermidades e acontecimentos trágicos (Lc 6.18). As forças da maldade podem operar de modo isolado ou em conjunto, e é evidente que a operação em grupo traz consequências muito mais devastadoras aos oprimidos (Mt 12.43-45; 17.21; Mc 5.9; Lc 8.2).

3. A superioridade do Reino de Deus sobre o império das trevas.
Uma verdade importante que precisa ser dita com relação a batalha espiritual é que ela é absolutamente assimétrica, isto é, os conjuntos de forças e os participantes deste conflito cósmico-espiritual possuem forças diferentes. Por exemplo, é óbvio que anjos e demônios são mais fortes do que humanos (2 Cr 32.21; Sl 8.5; Hb 2.7). Dentre os seres espirituais existe uma hierarquia de tal modo que entre anjos existe pelo menos um que é chamado de "anjo principal" ou arcanjo (Dn 10.13; 1 Ts 4.16; 2 Pe 2.11; Jd 9; Ap 12.7) e entre os espíritos malignos também (Lc 11.15). Todavia, sobre tudo e todos, há a soberania de nosso Deus que - conforme sua onipotência - tem poder infinitamente superior (Ne 9.32).

A diferença fundamental entre o Reino de Deus e o império do mal é que enquanto este organiza-se apenas para a destruição da humanidade, o Reino do Pai veio para trazer o bem e a felicidade ao mundo (Jo 10.20,21). O Novo Testamento declara o poder soberano de Jesus sobre os demônios (Mt 12.28); ainda que o maligno insista em tentar prejudicar os filhos de Deus, temos em Jesus e no seu poder um socorro bem presente em nossos instantes de guerra e conflito espiritual.

II - O ENDEMONINHADO GADARENO

1. Uma vida devastada pelo maligno.
O relato da libertação do oprimido de Gadara é um registro da força devastadora no mal na vida de uma pessoa; porém, esta mesma narrativa é reveladora da graça libertadora do Senhor Jesus. Pensemos sobre como o grande amor do Salvador vem em nosso favor para reestabelecer em nós a imagem de Deus (Cl 3.10) desgastada pelo pecado e deformada pelo maligno (2 Co 4.4). A história deste homem, registrada nos sinóticos, é o enredo de uma tragédia: Privado da convivência com sua família (Mc 5.19; Lc 8.39), isolado de qualquer relação social (Mc 5.4; Lc 8.29), um homem oprimido pelo maligno a ponto de perder a própria identidade e consciência (Mc 5.9; Lc 8.30). Além disso, as forças demoníacas impeliam-no a um desejo de autodestruição e desvalorização de si tão devastador que o homem oprimido matinha práticas de automutilação (Mc 5.5), não tomava banhos nem vestia roupas (Lc 8.27) e morava num cemitério (Mt 8.28). Este é o caso nas Escrituras onde há maior riqueza de detalhes na descrição de como operava a ação demoníaca na vida de uma pessoa. Temos em Mateus 12.43-45 a clássica descrição da metodologia de ataque dos demônios na vida de uma pessoa; entretanto, o caso do gadareno demonstra o sofrimento de um indivíduo específico, atacado por espíritos malignos, há também no relato do gadareno a constatação da absoluta necessidade da intervenção de Jesus para libertação dos oprimidos do Diabo.
 
2. Uma libertação extraordinária.
Não há qualquer tipo de espetacularização da libertação do homem de Gadara, muito menos algum tipo de concessão ao maligno. Vemos no ato de Jesus um compromisso com a restauração da espiritualidade e dignidade daquela pessoa. Este não é o único caso nos Evangelho de um indivíduo opresso por mais de uma entidade demoníaca, Lucas 8.2 registra que Maria Madalena fora liberta de sete demônios. Jesus fez, através do amor, aquilo que os poderes humanos, com suas correntes de ferro esmiuçadas (Lc 8.29), foram incapazes de realizar. Não são protocolos humanos, palavras mágicas ou rituais místicos que libertam a humanidade da dominação do mal, mas apenas o poder de Jesus Cristo (Rm 16.20). A restauração foi imediata e radical, de tal forma que aquele homem ficou assombrosamente liberto e em paz, segundo o próprio testemunho dos demais moradores da cidade (Mc 5.15; Lc 8.35). Este é o resultado das ações de Deus na vida de cada um dos seus filhos: alegria e restauração (2 Co 5.17; Rm 8.1).

3. Sobre nossa imagem restaurada em Cristo.
O pecado roubou a plenitude da glória de Deus de nossas vidas (Rm 3.23). Todo o plano de Deus na história da humanidade através de Jesus de Nazaré tem como finalidade principal restaurar esta gloriosa comunhão perdida (Jo 17.21,22). Desta forma, vencer as forças do maligno não significa demonstrar habilidades especiais de domesticação de espíritos imundos, como pensavam os filhos de Cevas (At 19.13-17), mas de uma vida restaurada em relacionamentos - com Deus e com os homens - e em dignidade (Rm 5.10; 1 Co 15.52). Há lugares e igrejas onde a prática de exorcismos tornou-se instrumento de poder e lucro por parte de líderes religiosos pseudocristãos. Com relação a esta questão o Evangelho contemporâneo precisa voltar a sua essência, isto é, a pregação com poder e autoridade sobre as forças das trevas, visando a liberdade das pessoas e não uma forma de enriquecimento a partir do sofrimento alheio.

III- JESUS EXPULSA UM DEMÔNIO DE UM HOMEM MUDO

1. Uma doença que oprimia.
A Escritura está repleta de relatos de pessoas que sofriam de enfermidades e que foram curadas de suas doenças graças ao poder de Jesus de Nazaré (Mt 9.22; Mc 10.52; Lc 17.19); por outro lado, existem também vários registros de indivíduos que foram libertos de opressões demoníacas (Mc 1.23-27; 3.11,12; 5.2-20; 7.25-30). Há, todavia, um conjunto mais específico de milagres realizados pelo Salvador que envolviam não apenas a cura, mas também a libertação espiritual de pessoas (Mc 9.25; Lc 9.42). Analisemos um caso específico de cura por meio da libertação: Mateus 9.30-33.

A palavra grega para designar a doença deste homem (v. 32) se refere a uma incapacidade de comunicar-se com as pessoas. É uma enfermidade que comprometia o indivíduo em um amplo espectro comunicacional, às vezes é traduzida por mudez, em outros contextos surdez ou podem ser as duas enfermidades ao mesmo tempo. E uma última possibilidade de compreensão, caracterização desta palavra grega, seria uma pessoa com problemas cognitivos severos. Assim, a cura realizada por Jesus restaurou àquele homem a capacidade de compreender o mundo, de tornar-se novamente alguém autônomo, livre para decidir sozinho. Essa é uma das características mais marcantes do ministério de Jesus: o poder para ministrar não apenas a cura, mas a libertação por meio da cura (Lc 4.16-21; At 10.38); desta forma, esse também deve ser um dos diferenciais na atuação de um seguidor de Cristo, isto é, comprometer-se com o bem-estar integral - físico e espiritual - da sociedade.

2. A manifestação de um milagre.
Diferente de muitos supostos curandeiros ou exploradores da fé alheia, a libertação na vida daquele homem não foi algo lento, que aconteceu depois de uma série de rituais ou protocolos cerimoniais; ao contrário, atesta-nos Mateus que imediatamente após as palavras de Jesus, o homem passou a comunicar-se naturalmente com as pessoas (v.33). É assim que se identifica um milagre: não há condicionantes ou impedimentos, quando Deus realiza sua obra ninguém pode impedir (Is 43.13). Por isso, tenha muito cuidado com quem cria pré-requisitos religiosos para a realização de milagres. Nunca se deve utilizar do momento de uma ação milagrosa de Deus para fazer-se marketing religioso ou autopromoção ministerial; todo o milagre glorifica exclusivamente ao Senhor.  Desta forma, se um ato incrível não render glórias ao Altíssimo, nunca poderá ser definido como milagre (Jo 6.14).

3. A blasfêmia pelo bem realizado.
A maldade dos religiosos da época era algo tão monstruoso que, após a miraculosa libertação do homem oprimido, atribuíram tal acontecimento a uma intervenção do próprio maligno (Mt 9.34). A blasfêmia deste tipo de afirmação torna-se mais evidente quando consideramos que milagres como este que Jesus realizou nada mais eram que o cumprimento de profecias anunciadas centenas de anos antes (Is 35.5,6).

SUBSÍDIO
5.1,2 - Embora possamos não ter certeza da razão pela qual acontece a possessão demoníaca, sabemos que os espíritos malignos podem prejudicar uma pessoa, afastando-a de um relacionamento com Deus e com os semelhantes. Os demônios são perigosos, poderosos e destruidores. Embora seja importante reconhecer a atividade maligna, devemos evitar qualquer curiosidade a seu respeito e envolvimento com forças demoníacas ou ocultas, a fim de nos conservarmos distantes deles (Dt 18.10-12). Basta resistirmos ao Diabo e à sua influência, e ele fugirá de nós (Tg 4.7).

5 .9 - O espírito maligno disse que seu nome era Legião. Esta era a maior unidade do exército romano, formada por cerca de três a seis mil soldados. Obviamente, o homem estava possuído por muitos demônios.

5.10 - Muitas vezes. Marcos enfatizou a luta sobrenatural entre Jesus e Satanás. O objetivo dos demônios era controlar os seres humanos em quem habitavam: o objetivo de Jesus era libertar as pessoas do pecado e do controle de Satanás. Os demônios sabiam que não tinham poder sobre Jesus, por isso quando o viam, imploravam para não serem enviados para lugares distantes (o abismo, descrito em Lc 8.31). Então, pediram a Jesus que lhes concedesse entrar na vara de porcos (5.13): Ele permitiu, mas colocou um ponto final em sua obra destruidora na vida daquele homem e de muitas outras pessoas" (BÍBLIA APLICAÇÃO PESSOAL. Rio de Janeiro: CPAD, 2007. pp. 1299, 1300).

CONCLUSÃO

Os casos do gadareno e do homem curado de mudez denunciam de modo contundente, que os ataques do maligno ainda podem ser articulados em conluio, isto é, em uma trama maligna de demônios.

HORA DA REVISÃO
1. Qual o pressuposto básico para toda e qualquer discussão sobre demônios?
A aceitação da existência de uma realidade para além do mundo físico, isto é, o mundo espiritual, o qual é habitado por um conjunto de seres específicos desta realidade.

2. Existe alguma relação entre mundo espiritual e realidade material?
Sim, de tal forma que aquilo que acontece no mundo material repercute no espiritual e vice-versa.

3. Que lições sobre a operação dos demônios entre nós podemos retirar a partir do caso do gadareno?
A ação deles visa desfigurar a imagem de Deus em nós; a operação dos demônios nunca atinge apenas um indivíduo, mas sempre famílias e sociedades inteiras; a demonização do homem era um resumo da demonização de toda uma sociedade.

4. A libertação do homem com mudez revela-nos o que sobre a dinâmica dos milagres segundo a Bíblia?
Que os milagres ocorrem com naturalidade e segundo o tempo de Deus; qualquer ação fora da normalidade que não rende glória a Deus jamais poderá ser chamada de milagre; milagres são ações de um Deus poderoso em favor dos marginalizados e opressos pelo Diabo.

5. Apresente mais dois casos em que a ação de Jesus produziu simultaneamente cura e libertação.
Marcos 9.25; Lucas 9.42; Lucas 6.18.
🎯  APROFUNDE SEU CONHECIMENTO:
Lições Bíblicas Dominical – Adultos – Aqui
Lições Bíblicas Dominical – Jovens – Aqui
Lições Bíblicas Dominical – Adolescentes – Aqui


Imagens de tema por PLAINVIEW. Tecnologia do Blogger.