Lição 9 - O Poder do Espírito Santo

Lições Bíblica Dominical Central Gospel | Trimestre: 1° de 2020 | Comentarista: Pr. Geziel Gomes

TEXTO BÍBLICO BÁSICO
Efésios 5.8-21
TEXTO ÁUREO
Vós, porém, não estais na carne, mas no Espírito, se é que o Espírito de Deus habita em vós. Mas, se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse tal não é dele. Romanos 8.9

SUBSÍDIOS PARA O ESTUDO DIÁRIO
2ª feira - Atos 8.1-25
O amor em forma de poder
3ª feira - Atos 15.1-11
Deus nos deu o Espírito Santo
4ª feira - Atos 2.1-13
A descida do Espírito
5ª feira - 2 Coríntios 10.1-6
Temos armas poderosas em Deus
6ª feira - 1 Coríntios 15.51-57
Satanás não possui poder sobre a vida do cristão
Sábado - Marcos 12.29-34
O amor é maior

OBJETIVOS
Ao término do estudo bíblico, o aluno deverá:
• conscientizar-se de que o avivamento não é apenas parte da história da Igreja, ele também está presente nela hoje;
• buscar a capacitação, no Espírito Santo, para amar incondicionalmente;
• compreender que o Espírito Santo nos torna aptos para suportar as tentações e as tribulações;
• lutar contra as concupiscências da carne com a ajuda do Espírito Santo.

ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS
Caro professor, as condições internas do aluno necessárias para efetivação da aprendizagem chamam-se prontidão. Ele está pronto quando está motivado para aprender.

A aquisição de uma nova aprendizagem dependerá sempre de outras anteriores, que são sua base, seu degrau. Desta maneira, há um movimento de continuidade e encadeamento, fazendo com que a aprendizagem ocorra de forma progressiva e por etapas. Por isso, a aprendizagem é um processo global, contínuo, cumulativo e transferível.

Ao mesmo tempo em que adquire um novo saber, a pessoa aumenta seu patrimônio cultural e sua maneira de perceber a si e o mundo, e passa a ter outro ângulo de visão e um novo modo de comportar-se frente aos desafies da vida. É por meio dessa mudança no comportamento e nas atitudes que a aprendizagem pode ser comprovada (Extraído de: CHAVES, G. V. Educação Cristã — Uma Jornada Para Toda Vida. Rio de Janeiro: Central Gospel, 2012, p. 54).
Veja também:

Lição 1 - Adão, o Primeiro Homem

Lição 2 - A Criação de Eva a Primeira Mulher

Lição 3: A Natureza do Ser Humano

Lição 4: Os Atributos do Ser Humano

Lição 5 - A Unidade da Raça Humana 

Lição 6 - A Sexualidade Humana

Lição 7 - A Queda do Ser Humano


COMENTÁRIO
Palavra introdutória

Charles H. Spurgeon declarou que “o poder é uma prerrogativa exclusiva e especial de Deus e somente dele. Essa vantagem encontra-se em cada uma das três pessoas da gloriosa Trindade": o Pai (Hb 11.3), o Filho (Jo 1.3) e o Espírito Santo têm poder igual.

A Bíblia confirma a declaração de Spurgeon. Nela, vemos que o poder pertence a Deus e que Jesus prometeu revestir Seus seguidores com essa capacitação a fim de que pudessem cumprir propósitos específicos (Lc 24.49; At 1.8).
 
O poder implica virtude, coragem e ousadia e manifesta-se em várias dimensões, para o cristão testificar (At 1.8; 4.13-20; 17.2), operar sinais e maravilhas (At 3.8,9; 4.29,30; 5.15,16), suportar o sofrimento (At 7.57-60; 16.16-40), ganhar almas (At 2.41; 4.4; 17.4), confirmar a Palavra (Rm 15.18; Hb 2.4) e conhecer os mistérios de Deus (1 Jo 2.26,27).

Essa capacitação foi amplamente usada pela Igreja primitiva e resulta do poder do Espírito Santo (At 1.8). Ele concedeu uma unção plena a Jesus para a realização de Seu ministério terreno (At 10.38), conferiu fé a Estêvão para a pregação ousada (At 7) e outorgou dons a Paulo, de tal maneira que o seu ministério foi plenamente confirmado por operação de maravilhas (At 19.11,12).

Além disso, o Espírito atribuiu autoridade a Pedro e João, e eles não temeram a fúria das autoridades romanas (At 3); dedicou notável ousadia aos cristãos em períodos de aflição (At 4.31); viabilizou o pleno sucesso a Filipe, no grande ministério evangelístico que resultou na divulgação da Palavra em Samaria (At 8.1-25), e entregou sábia e firme direção à Igreja primitiva para que executasse um audacioso plano missionário (At 13). Deus atua segundo esse poder (Ef 3.20). Quanto mais o utilizamos, mais nos aproximamos da Sua plenitude (Ef 5.18).

1. O REVESTIMENTO DO AMOR
O poder do Espírito Santo é o termo utilizado para designar o momento em que a terceira pessoa da Trindade reveste-nos de virtude para realizar obras específicas no Reino de Deus (At 1.8). Dentre as muitas capacidades que Deus espera que desenvolvamos, o amor é a principal virtude de que devemos nos ocupar (Jo 15.17).

Jesus resumiu toda a Lei Mosaica em dois grandes mandamentos, e essa atitude não foi despropositada (Mc 12.29-31). O Mestre tinha consciência de que se os judeus amassem o próximo com a mesma intensidade e com o mesmo zelo devotados à Lei, aquele povo causaria um impacto sem precedentes na história da humanidade.

Quando o apóstolo Paulo escreveu aos Coríntios, ele disse que a lei escrita mata, mas o Espírito de Deus dá vida (2 Co 3.6-8).

LIÇÕES DE JOVENS E ADULTOS:

Lição 3 - As Representações do Espírito Santo

Lição 4 - O Espírito Santo na Antiga Aliança

Lição 5 - O Espírito Santo na Nova Aliança

Lição 6 - O Espírito Santo e a Armadura de Deus

Lição 7 - O Relacionamento com Espírito Santo




1.1.  O amor sempre

Não existem momentos bons ou ruins para praticar o amor, devemos exercê-lo sempre. Certa vez, Pedro se aproximou de Jesus para lhe perguntar quantas vezes um irmão deveria ser perdoado. O Mestre respondeu ao Seu discípulo: não até sete, mas até setenta vezes sete (Mt 18.21,22).

Na verdade, Cristo estava ensinando a Pedro que o amor precisa ser praticado sem limites (Mt 18.23-35). Então, a questão não é quantas vezes se deve perdoar, o ponto é: precisamos exercitar o perdão como uma expressão do amor que temos pelo próximo.

1.2.  O amor sem distinção

No Antigo Testamento, a Lei ordenava que aquele que pecasse deveria receber uma punição em igual proporção ao mal quo tivesse causado (Êx 21.22 25). Por isso, ao ensinar sobre o amor, Jesus revogou essa regra e instituiu um novo mandamento: amar o próximo é mais importante do que pagar o mal com o mal (Mt 5.43-46; Rm 12.17).

O apóstolo Paulo compreendeu perfeitamente a mensagem de Jesus, por isso ele usou sábias palavras ao recomendar aos cristãos romanos: Não devam nada a ninguém, a não ser o amor de uns pelos outros, pois aquele que ama seu próximo tem cumprido a Lei (Rm 13.8). O apóstolo constatou que era necessário eles despertarem para um novo momento, no qual o amor é o principal mandamento (Rm 13.10,11).

2. O REVESTIMENTO DE RESILIÊNCIA

O poder do Espírito Santo nos torna absolutamente capazes de suportar experiências difíceis na vida. 
Contudo, ainda que alguns problemas nos sobrevenham contundentemente, temos o Espírito para nos ajudar a vencer e superar os desafios que enfrentamos. Um cristão firmado em Cristo e revestido de poder (Rm 8.38,39): supera as perseguições (At 13.49-52), as afrontas (At 21.27-35), as tribulações (1 Ts 3.3) e as tentações (1 Co 10.13).

2.1.  Contra os impulsos do pecado

Cada um é tentado conforme seu próprio desejo, ou seja, cada pessoa é seduzida de uma maneira específica, dependendo daquilo que a atrai (Tg 1.14). Resistir às tentações é uma das capacidades que recebemos quando estamos revestidos pelo Espírito Santo (1 Co 10.13).

Lembremo-nos da experiência de Jesus, que foi levado ao deserto para ser tentado pelo diabo (Mt 4.1). Satanás tentou Cristo, sugerindo-lhe que transformasse pedra em pães, pois sabia que o Mestre estava com fome depois de ter enfrentado um jejum de 40 dias (Mt 4.2). No entanto, Jesus havia recebido o Espírito Santo e estava capacitado para resistir às investidas do diabo (Mt 3.16).

O inimigo usa aquilo de que mais gostamos para armar ciladas contra nós (Ef 6.11). Portanto, para resistirmos firmemente às forças espirituais do mal, devemos nos revestir de toda a armadura de Deus (Ef 6.13). Nossa luta não é contra seres humanos, mas contra os dominadores das trevas (Ef 6.12). Logo, contra seres espirituais, devemos usar as armas espirituais fornecidas pelo poder do Espírito Santo (Ef 6.10).

2.2.  Contra as aflições

Ao contrário do que muitos acreditam, nossas tribulações não possuem a finalidade de nos fazer cair nem de nos afastar de Deus. Na verdade, é necessário que passemos por muitas delas para entrarmos no Reino de Deus (At 14.22).

Nossas aflições são responsáveis por gerar em nós a perseverança, pois, quando conseguimos suportá-las, ficamos mais fortes (Rm 5.3). O Espírito Santo usa essas oportunidades para nos ensinar (1 Co 2.12-15).

O Senhor nos consola em nossas tribulações a fim de que consigamos superar as lutas e as dificuldades. Então, além de nos fortalecer, Ele também nos ensina a ajudar outras pessoas que padecem do mesmo problema (2 Co 1.3,4).

3. O REVESTIMENTO PARA TRIUNFAR

Quem vive segundo a carne tem a mente voltada para o que a carne deseja; mas quem vive de acordo com o Espírito tem a mente voltada para o que o Espírito deseja (Rm 8.5). Portanto, aquele que deseja ser um vencedor precisa estar revestido do Espírito Santo, pois não satisfazemos os desejos da nossa carne quando vivemos no Espírito (Gl 5.16).

Estes são os males que o Espírito Santo nos ajuda a vencer: imoralidade sexual, impureza e libertinagem; idolatria e feitiçaria; ódio, discórdia, ciúmes, ira, egoísmo, dissensões, facções e inveja; embriaguez, orgias e coisas semelhantes (Gl 5.19-21).

3.1.  Sobre a carnalidade

Embora revestidos do Espírito Santo, não ficamos isentos de sofrer com os desejos da nossa carne. A concupiscência pode ser definida como uma intensa disposição para cobiçar algo. Por isso, precisamos da ajuda do Espírito Santo para não cairmos em tentação (Mt 6.13), pois a cobiça tendo concebido, dá à luz o pecado, e o pecado, após ter-se consumado, gera a morte (Tg 1.15).

3.2.  Sobre a soberba

Uma das tentações que Jesus sofreu no deserto está diretamente relacionada à soberba. Ao levá-lo a uma alta montanha, mostrar-lhe todos os reinos do mundo — e oferecê-los a Jesus em troca de adoração Satanás esperava que o Filho de Deus sucumbisse diante da soberba e da cobiça (Mt 4.8,9).

Contudo, o Mestre estava revestido pelo Espirito Santo e sabia que a cobiça da carne, a cobiça dos olhos e a ostentação dos bens não provém do Pai, mas do mundo (1 Jo 2.16), por isso Cristo resistiu ao diabo (Mt 4.10,11).

O apóstolo Paulo também entendeu que a soberba é capaz de tirar o homem dos caminhos de Deus. Por isso, ao recomendar que Timóteo separasse homens para conduzir a igreja de Éfeso, Paulo o aconselhou a não escolher recém-convertidos, pois, por lhes faltar maturidade cristã, eles poderiam se corromper com a soberba (1 Tm 3.6).

4. A CAPACITAÇÃO ESPIRITUAL

A plenitude do Espírito Santo é uma das mais significativas e maravilhosas experiências projetadas por Deus e destinadas aos membros de Sua Igreja. Significa o revestimento de poder espiritual, prometido desde o Antigo Testamento, também chamado de promessa do Pai (At 1.4).

4.1.  Requisitos

A primeira experiência de plenitude do Espírito Santo relatada nas Escrituras ocorreu no dia de Pentecostes (At 2). Essa experiência testifica a ressurreição de Jesus (Jo 16.7; At 2.32,33), só pode ser concedida por Ele (Jo 1.33; At 1.5), destina-se a todos os cristãos (Mt 3.11; Jo 7.39; 14.17; At 2.3,4; 10.44), foi prometida pelo Pai (At 1.4), é oferecida aos que têm sede e creem (Jo 7.37-39) e concede autoridade especial a quem a recebe (Lc 24.49).

Para recebê-la, o cristão deve crer de acordo com es Escrituras (Jo 7.37), pedir com fé (Mt 7.7; Lc 11.13; Tg 1.6), orar com perseverança (Lc 18.1; At 1.14), obedecer de coração (Lc 24.49; At 1.4,12,13), aproximar-se com confiança do Pai (Is 55.1; Jo 7.37,38), demonstrar profunda sede por Deus (SI 143.6; Is 41.17; 44.3; Ap 21.6) e beber da água que Cristo oferece (Jo 7.37; Ap 22.7).

CONCLUSÃO

Como você tem agido diante do Espírito Santo para recebê-lo e para ser constantemente renovado por Seu poder? Você tem sido uma pessoa de fé que se preocupa com o avivamento hoje? Essas e outras questões relacionadas ao poder do Espírito disponível a nós precisa ser respondida com um sonoro "SIM", para que a Igreja não se esfrie, tendo à sua disposição tão maravilhoso poder de ser avivada constantemente!

O poder do Espírito Santo está relacionado a algo bem maior do que apenas manifestar o dom de falar línguas estranhas (At 2.4). Assim, quem é cheio do Espírito Santo apresenta o amor como principal característica, suporta as adversidades com resiliência e torna-se um grande vencedor. Essa é a grande capacitação que está disponível a todos os cristãos pelo Espírito Santo.

ATIVIDADE PARA FIXAÇÃO
1. Por que o apóstolo Paulo disse aos romanos que o amor é o elo perfeito (Cl 3.14)?

R.: Deus é amor. Portanto, todo aquele que permanece no amor permanece em Deus, e Deus nele (1 Jo 4.16). Não existe outra forma de estarmos em comunhão com o Senhor, se não for pelo amor.

🎯  APROFUNDE SEU CONHECIMENTO:
Lições Bíblicas Dominical – Adultos – Aqui
Lições Bíblicas Dominical – Jovens – Aqui
Lições Bíblicas Dominical – Adolescentes – Aqui
 Lições Bíblicas Central Gospel - Aqui
Estudos Temáticos - Aqui
Estudos Para Capacitação de Professores da EBD - Aqui


Imagens de tema por PLAINVIEW. Tecnologia do Blogger.